Relacionamento – Efeito Lua de Mel

Entenda o porquê esse efeito passa e como resgatá-lo novamente.

O casamento é um dos momentos mais importantes e significativos para o casal, esse dia é marcado no momento em que os noivos ao fazer os votos, eles concordam em apegar-se um ao outro “na alegria e na tristeza, até que a morte os separe”. Muitos não levam a sério essas promessas solenes.

Pesquisas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indicam que, no Brasil, um em cada três casamentos resulta em divórcio..

As separações ocorrem porque buscamos no outro aquilo que falta em nós.

Nossa mente consciente está associada a uma região do cérebro chamada neocortex, essa região é responsável por 5% das atividades do nosso cérebro e o subconsciente é responsável pelos outros 95% .O  subconsciente está associado ao nosso sistema nervoso autônomo que faz parte do nosso cérebro emocional, ele recebe os comandos da  mente consciente sobre o que achamos certo ou errado, projetando nas nossas vidas tudo aquilo que acreditamos, sem julgamentos.

Cada pensamento, sentimento, equivale a uma semente plantada no subconsciente que irá florescer no jardim da sua vida com a sua realidade pessoal.

Isso significa que se você quiser acessar o seu lado que te possibilita planejar um novo futuro precisará viver mais no presente para plantar as sementes certas ao seu momento atual. Caso contrário seu subconsciente que guarda todas as memórias  das suas experiências  passadas, é quem vai governar a sua  vida. Se você não conseguir plantar novas sementes e criar uma nova programação cerebral, serão os velhos programas condicionados e associados às experiências negativas que você viveu é quem vai governar a sua vida. Isso acontece porque o nosso cérebro evolui neurologicamente para dar mais atenção as coisas negativas para nos proteger de possíveis novas frustrações, ameaças e decepções.

Quando você não tem consciência disso, você pode passar boa parte da sua vida ressentindo, amargurando, sofrendo por nutrir experiências do passado. Nosso subconsciente processa um mar de informações sem que a gente perceba e quando menos esperamos estamos vivendo no passado e é ai que mora o perigo de nossos relacionamentos.

Quando nos apaixonamos quem governa as nossas ações é o lado criativo e consciente os 5% e os níveis de dopamina um neurotransmissor associado ao prazer e a recompensa, disparam a sua produção. Estudos mostram que ao estimularmos as áreas do cérebro associadas a produção de dopamina nos tornamos negligentes com as demais relações, pessoa apaixonada é capaz de esquecer do mundo a sua volta em função do prazer proporcionado por estar junto da sua paixão, os defeitos do outro são minimizados, o seu nível de tolerância  e paciência aumenta, tudo parece mais fácil de ser resolvido.

O outro neurotransmissor ocitocina conhecido como a droga do amor e a serotonina que afeta positivamente o nosso sono também aumentam a sua produção contribuindo para que a pessoa se sinta num verdadeiro estado de Graça.

De acordo com um estudo cientifico recente, os pesquisadores scanearam o cérebro de 17 casais que viviam juntos há 21 anos e que relataram viver ainda em um extenso estado de amor e observaram que as áreas associadas ao circuito do prazer e recompensa, responsáveis pela produção de dopamina continuavam muito ativos, fazendo com que eles estivessem em plena lua de mel.

O que ocorre com os casais, que mesmo tendo vivenciado todo esse amor e paixão, terminam suas relações como se fossem verdadeiros inimigos, chegando até a situação de agressões física e às vezes até assassinatos?

O segredo é que as pessoas tende a entrar na rotina e o que passa a comandar a relação é o subconsciente (o gigante) que comanda 95% das suas ações e que se especializou em simular experiências negativas já vividas. Com isso as memórias negativas começam a se manifestar trazendo o medo de que algumas experiências negativas se repitam. Surge então a tendência ao controle e desperta o desejo de que o outro se comporte de acordo com as expectativas de cada um, fazendo com que os casais estimulem cada vez menos o circuito do prazer e recompensa. Com a mente focada em experiências negativas, medos antigos e problemas futuro eles passam a estimular a produção de cortisol e adrenalina que são os hormônios do estresse. As reclamações, críticas e julgamentos passam a governar a relação que pouco a pouco vai se transformando em um verdadeiro inferno e a relação passa a não fazer mais sentido, a dor passa a ser o bem mais comum do que o prazer de estar juntos. Estar no piloto automático e com a cabeça no passado remoendo problemas é o que inviabiliza as relações. Inúmeros casais se separam por esse motivo, outros optam por viver juntos por causa do apego, destilando ódio, acusações e desprezo.

Se você quer ativar a sua relação, busque sair do piloto automático e passe a viver no aqui e agora e se conecte com as boas lembranças, momentos de alegria, de ousadia que viveram juntos. Essa é a atitude que trará de volta o efeito lua de mel. Vivendo o momento presente sem as amarras e medos do passado, focando em tudo que era belo e fazia sentido. Releve os erros do passado, perdoe , busque se reencontrar, expresse gratidão por tudo que viveram e aprenderam juntos.

O que diferencia os relacionamentos é a disposição de aprender e evoluir sempre, todos nós gostamos de viver em um ambiente seguro e afetuoso. Cuide do ambiente possibilitando ao outro que se sinta acolhido ao expressar a sua verdade interior e se sinta bem com isso.

Relacionar-se não implica fazer com que o outro seja igual a você, isso é impossível e muito doloroso. Essa lógica faz com que o outro se anule individualmente na relação.

Relacionar-se implica em conviver bem e com sabedoria em meios às diferenças, reconhecendo e respeitando o lugar de honra do outro.

Esse é o segredo dos casais que vivem felizes.

Eles conseguem reativar o circuito do prazer e da recompensa e mantem os níveis de ocitocina, dopamina e serotonina elevado de modo a se sentirem como se estivessem em plena lua de mel, com nível de maturidade muito maior.

Veja Aqui nossos artigos sobre autoconhecimento.

2 Comentários para “Relacionamento – Efeito Lua de Mel

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *